Portway despede dezenas de precários no Porto no dia seguinte a recorrer ao lay off

Portway despede dezenas de precários no Porto no dia seguinte a recorrer ao lay off

18 de Maio, 2020 0

A Portway, empresa de handling que opera nos aeroportos nacionais, segundo denúncias que recebemos, dispensou 28 trabalhadores precários no Aeroporto do Porto. Estes profissionais tinham contratos de trabalho a termo incerto, muitos deles já com vários anos de trabalho na empresa e cumprindo funções claramente permanentes, tendo sido necessário eliminar turnos devido à falta de trabalhadores após o despedimento. As denúncias relatam ainda que a empresa não respeitou os períodos de pré-aviso previstos na lei. Estes despedimentos tiveram lugar nos primeiros dias do mês de abril, no dia seguinte à empresa recorrer ao mecanismo de “lay off simplificado”. Trabalhadores que não entram, portanto, na estatística oficial da empresa, que anunciou a suspensão do contrato de trabalho a cerca de 1200 profissionais e a redução de 20% do horário e do salário a mais de 500 trabalhadores.

Mais um caso que demonstra como as medidas de apoio às empresas não protegem devidamente o emprego, ao contrário do que é repetido pelo Governo. Como aconteceu em muitas empresas ao longo das últimas semanas, sobretudo nas empresas de grande dimensão e com maior capacidade de planeamento, a Portway despede os trabalhadores a quem impôs vínculos precários ao mesmo tempo que recebe apoio público para enfrentar a crise e supostamente manter os postos de trabalho.

A Portway presta serviço de assistência em escala nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Beja. A empresa iniciou atividade em 2000 e é detida pela Vinci desde 2013 (na sequência da aquisição da ANA pela multinacional francesa de operação aeroportuária), que tem imposto os seus interesses para a construção de um novo aeroporto no Montijo.