Groupe Cat impõe férias forçadas antes de lay off, enquanto chefias ficam a trabalhar e a ganhar 100%

Groupe Cat impõe férias forçadas antes de lay off, enquanto chefias ficam a trabalhar e a ganhar 100%

7 de Abril, 2020 0

A Groupe C.A.T., empresa de afretamento de transportes com sede Águas de Moura, Setúbal, com 50 trabalhadores, acionou o mecanismo da lay off a partir do início deste mês de abril. No entanto, antes disso, a empresa obrigou trabalhadores a gozar 7 dias de férias, entre 24 e 31 de março, de forma não desejada e sem acordo.  Além disso, o recurso ao lay off teve, segundo os relatos que recebemos, uma particularidade: foi apenas solicitado para aplicação aos trabalhadores operacionais, deixando de fora as chefias, que continuam a trabalhar em regime normal e dessa forma recebendo o vencimento por inteiro. Como é sabido, os trabalhadores abrangidos pelo lay off recebem apenas 66% do seu vencimento.

A imposição de férias forçadas antes do recurso ao lay off foi uma das práticas mais comuns num contexto de irresponsabilidade e abuso patronal, neste primeira fase da crise. A imposição unilateral do gozo férias antes maio corresponde a uma violação grosseira da lei A Autoridade para as Condições do Trabalho, agora com poderes reforçados neste contexto excecional, tem de atuar imediatamente e travar estas irregularidades.