Primefood: trabalho sem proteção e despedimentos na empresa de restauração no Aeroporto de Lisboa

Primefood: trabalho sem proteção e despedimentos na empresa de restauração no Aeroporto de Lisboa

13 de Abril, 2020 0

A Primefood obrigou os seus funcionários a trabalhar sem equipamento de protecção suficiente, mesmo depois de ter conhecimento de casos de pessoas infectadas, tanto na equipa, como nos estabelecimentos vizinhos, no Aeroporto de Lisboa. A denúncia foi publicada pela Plataforma Resposta Solidária, no passado dia 2 de abril, já depois de terem encerrado os estabelecimentos da Primefood no Terminal 2. Segundo informação dos trabalhadores, a Primefood decidiu fechar apenas depois de dia 26 de março, para aproveitar o último e único voo desse dia.

As trabalhadoras e os trabalhadores terão sido informados pela gerente de que já tinham sido despedidos colegas que trabalhavam no Terminal 1, dias antes de se saber que a gerente estava infectada e que já se conheciam alguns casos positivos nos estabelecimentos próximos. Para além da insistência em manter os estabelecimentos abertos, a Primefood não garantiu equipamento de protecção individual, aumentando o risco de contágio dos seus funcionários e clientes.

A Primefood é uma empresa de restauração que representa várias marcas como a Nespresso, a Confeitaria Nacional ou a Heineken no Aeroporto de Lisboa.