Flex2000: despediu 60 trabalhadores em Ovar, depois de impor férias forçadas

Flex2000: despediu 60 trabalhadores em Ovar, depois de impor férias forçadas

24 de Maio, 2020 0

A administração da Flex2000, empresa dedicada à produção de espumas, despediu cerca de 60 trabalhadores na sua unidade em Ovar. A empresa tinha ao seu serviço cerca de 250 funcionários, mas tem mandado para casa vários trabalhadores em férias forçadas, alegando falta de encomendas. Quando os dias de férias se esgotam e os funcionários regressam ao trabalho, são pressionados a assinar a rescisão dos contratos de trabalho por mútuo acordo. As denúncias relatam ainda que a intenção é continuar a despedir, mantendo a estratégia de pressionar supostos acordos para terminar os contratos de trabalho. Além disso, a administração obriga os trabalhadores a compensar os 30 minutos diários para alimentação, o que faz com que tenham que trabalhar duas manhãs de sábados sem receber.

Esta situação levou já o Bloco de Esquerda a questionar o Governo. Face à gravidade da situação, o Bloco pede que seja esclarecido se a Flex2000 recorreu recentemente aos apoios do Estado e se esta empresa foi alvo, nos últimos 5 anos, de alguma ação inspetiva por parte da Autoridade para as Condições de Trabalho e quais as conclusões.

Recorde-se ainda que Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, acompanhados do Presidente da Câmara Municipal de Ovar, visitaram a fábrica da Flex2000 no passado dia 22 de maio, apresentando-a como um exemplo de persistência em contexto de pandemia. Infelizmente, parece ser mais propriamente um exemplo de irresponsabilidade patronal. E essa atitude a louvar não corresponde certamente à experiência dos trabalhadores já despedidos e daqueles que a administração da empresa continua a pressionar.

A Flex2000, pertencente ao grupo Cordex, é uma empresa especializada na produção de espumas, nomeadamente de poliuretano. O grupo Cordex regista um crescimento recente de dois dígitos e uma faturação de centenas de milhões de euros por ano.