Cofidis despede e assedia trabalhadora que recusou “acordo”

Cofidis despede e assedia trabalhadora que recusou “acordo”

28 de Maio, 2020 0

A Cofidis, empresa financeira especializada na concessão de crédito por telefone, avançou para o despedimento de 6 trabalhadores e trabalhadoras. A denúncia é do Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira (SinTAF), também com eco na imprensa, que fala em despedimentos “em tempo de pandemia”. A empresa comunicou essa decisão aos funcionários no passado dia 15 de maio, tentando impor “acordos” para rescisão dos contratos de trabalho. Mais grave ainda é que, perante a recusa de uma das trabalhadoras afetadas, a empresa está a retaliar de forma arbitrária e ilegal, recorrendo a práticas de claro assédio moral. O SinTAF descreve que, por ter recusado assinar um “acordo” com o qual não concorda, como represália, a trabalhadora foi, a partir do passado dia 20 de maio, “confinada a uma sala, sozinha, sem trabalho, sem computador e sob coacção e assédio” – sala que, “por ordem da chefia”, se mantém com a porta fechada. O sindicato já pediu a intervenção das autoridades, considerando esta situação “ilegal e vergonhosa”.

A Cofidis, criada em 1982, é uma multinacional francesa, centrada no negócio do crédito fácil e à distância. Com atuação em 9 países europeus, está em Portugal desde 1996, onde, segundo diz no seu site, a empresa tem 500 mil clientes.