Eurest avança para despedimento coletivo de 122 trabalhadores enquanto contrata precários

Eurest avança para despedimento coletivo de 122 trabalhadores enquanto contrata precários

3 de Novembro, 2020 0

A administração da Eurest, empresa que presta serviços na área da restauração, fortemente implantada no negócio da exploração de equipamentos como cantinas, refeitórios, bares ou áreas de serviço, comunicou a decisão de avançar para o despedimento coletivo de 122 trabalhadores. A decisão é justificada com os efeitos da crise sanitária e com o facto de terem terminado vários contratos de concessão. No entanto, a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT) considera que “não há nenhum motivo para a empresa recorrer ao despedimento coletivo”, uma vez que há falta de trabalhadores em várias unidades e que, em vez de despedir, a empresa poderia transferir estes funcionários os locais onde há falta de pessoal. Mais grave, segundo as denúncias sindicais, é que a empresa está neste momento a recrutar trabalhadores através de empresas de trabalho temporário para suprir necessidades em cantinas escolares e outros equipamentos.

A FESAHT alerta ainda para o facto da empresa avançar para o despedimento coletivo depois de ter recorrido ao “lay off simplificado”, ou seja, despede depois de ter beneficiado dos apoios públicos para a manutenção dos postos de trabalho. Estes sindicatos já anunciaram que vão fazer tudo para travar este despedimento coletivo, estando agendada uma greve nacional e uma concentração de protesto em frente à sede da empresa para o dia 5 de novembro.

A Eurest dedica-se ao negócio da restauração coletiva e integra o grupo inglês Compass, multinacional do setor. A empresa opera em Portugal desde 1974, tendo atualmente cerca de 3 mil trabalhadores e um volume de negócios anual superior a 100 milhões de euros.