Cordex: empresa de Ovar não paga parte dos salários e quer passar fatura à Segurança Social

Cordex: empresa de Ovar não paga parte dos salários e quer passar fatura à Segurança Social

2 de Junho, 2020 0

A Cordex, empresa com sede e instalações em Ovar, conhecida pela relevância durante décadas na produção de têxteis para aplicação na agricultura, não pagou aos trabalhadores residentes no concelho de Ovar parte do salário correspondente ao mês de abril. No contexto da conhecida cerca sanitária que foi aplicada ao concelho, os funcionários residentes no concelho de Ovar começaram a trabalhar a partir do dia 6 de abril, enquanto os restantes trabalhadores só regressaram ao trabalho após terminar essa restrição, no dia 17. Ainda assim, a empresa não pagou aos trabalhadores residentes no concelho de Ovar os dias trabalhados entre 6 e 17 desse mês, tendo estes profissionais recebido a informação que esses dias seriam pagos pela Segurança Social. Esta situação foi denunciada pela organização distrital do Bloco de Esquerda.

O Bloco de Esquerda já questionou o Governo sobre esta situação. No conjunto de perguntas endereçadas ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o Bloco afirma que a empresa parece “pretender que a Segurança Social assuma o pagamento do salário a todos os trabalhadores, mesmo aqueles que não estiveram impedido de trabalhar por causa do cerco sanitário e que, inclusivamente, estiveram a trabalhar e, nesses dias, a realizar mais-valia para a empresa”.

O Bloco alerta para a necessidade de que a Autoridade para as Condições do Trabalho e o Instituto de Segurança Social (ISS) intervenham e averiguem a situação. “Foi anunciado pelo Governo que estas duas entidades estarão no terreno, nos próximos dias, numa ação nacional de fiscalização relacionada com o lay off simplificado. Não sendo esta uma situação relacionada com o lay off, a Segurança Social não deve deixar de fiscalizar a mesma, uma vez que pode estar em causa a tentativa de acesso indevido a apoios”.

Recorde-se que tínhamos já divulgado os despedimentos e a imposição de férias forçadas na Flex2000, empresa do grupo Cordex, com fábrica na zona industrial de Ovar – empresa que, no dia 22 deste mês, recebeu a visita do presidente da República e do primeiro-ministro, que se esforçaram em a apresentar como um exemplo de resistência neste contexto de pandemia.